quinta-feira, 3 de novembro de 2022

A NATO Está Agora à Beira de Uma Derrota Catastrófica na Ucrânia

 

Eu tenho dito e repetido neste blogue desde o início do conflito na Ucrânia, que tal conflito acabaria por redundar numa humilhação catastrófica para a NATO, tanto no plano militar, como no plano geopolítico. Ora, tudo aquilo que se tem passado na Ucrânia nas últimas semanas, não apenas confirma e reforça esta minha opinião baseada em factos empíricos sólidos, como aponta também no sentido de a possibilidade de uma guerra convencional directa entre a Rússia e a NATO, ser agora consideravelmente maior do que alguma vez foi. Esta guerra, se vier mesmo a tornar-se realidade, vai igualmente redundar inevitavelmente numa derrota para a NATO, que como eu também já expliquei neste blogue inúmeras vezes, não passa de um "tigre de papel" em termos militares

Os analistas e "generais" da NATO, que todo o santo dia opinam asneiras nas televisões e nos jornais do sistema e que nos garantem a todos que "a NATO é muito mais forte do que a Rússia", precisam de voltar à escola e aprender como é que se combate uma guerra a sério e acima de tudo, como é que se combate uma guerra contra um País que tem um sofisticado sistema integrado de defesa anti-aérea em profundidade, como é o caso da Federação Russa, que só por si garante que em caso de conflito aberto, a aviação da NATO vai acabar a ser triturada e a sofrer baixas a um nível nunca antes sentido por nenhuma força aérea da NATO. A Rússia não é o Iraque de Saddam Hussein, nem a Líbia de Muammar Gaddafi, onde pastores iletrados eram recrutados, muito mal treinados e de seguida, colocados a operar tanques e a fazer outras tarefas militares exigentes, para as quais não estavam minimamente habilitados ou preparados. A Rússia, pelo contrário, possui umas Forças Armadas modernas, com equipamento moderno e muito bem municiado e acima de tudo, operado por militares excelentemente bem treinados, motivados e educados. Eu creio que muita gente na NATO, parece ainda não ter conseguido compreender este dado essencial.

Recordo que há apenas dois dias os ucranianos dispararam 24 mísseis HIMARS contra as forças russas na região de Kherson e destes 24 mísseis, 21 foram interceptados com sucesso pelas defesas anti-aéreas da Rússia, sendo que os restantes três desviaram-se do seu trajecto, devido a algum provável erro mecânico ou informático e acabaram por se despenhar. Este episódio demonstra que a Rússia possui hoje uma capacidade fenomenal e testada, para conseguir interceptar e neutralizar toda a espécie de aviões, mísseis e rockets avançados, sendo que não existe mais nenhum País do Mundo que possua tal capacidade a este nível de sofisticação. A China está próxima da Rússia neste campo, mas ainda lhe falta dar mais alguns passos importantes para atingir o mesmo grau e capacidade em termos de defesa anti-aérea.

O armamento da NATO tem tido em termos gerais um desempenho miserável na Ucrânia e à medida que pouco a pouco esta dolorosa realidade começa a ficar aparente em Washington, torna-se também cada vez mais claro que com a vitória político-militar na Ucrânia, virá também uma grande vitória tecnológica para a Rússia, que está a reconquistar novamente o seu legítimo lugar como campeã da ciência, da engenharia, da mecânica e da tecnologia no concerto das nações. Isto também é o resultado directo de os vários governos do Presidente Putin, terem sempre feito um pesado investimento na educação de qualidade na Rússia a todos os níveis, ao contrário dos países ocidentais, onde a escola e as universidades foram reduzidas a meros centros de propaganda de ideias e ideologias lunáticas. O Ocidente e as suas elites apócrifas, vai pagar um preço pesadíssimo por tudo aquilo que têm feito aos seus sistemas de ensino nas últimas três décadas. Porventura, não é certamente ao acaso que nas competições internacionais de matemática e ciência, os alunos oriundos da Ásia e da Rússia, por norma, "arrumam a um canto" os alunos dos EUA e da UE. Parece que a tal "superioridade ocidental", afinal de contas, está mesmo a entrar pelo cano adentro...

A verdade que nenhum político ou jornal do Ocidente neste momento ousa admitir, é que as Forças Armadas da Ucrânia eram a 23 de Fevereiro de 2022 as maiores e melhores que a NATO tinha ao seu dispor. Numa campanha de oito meses, a Federação Russa conseguiu não apenas infligir baixas horrendas a esta força da NATO, como conseguiu garantir também que os constantes fornecimentos de armas e munições aos ucranianos, pudessem de alguma forma impedir a Rússia de atingir os objectivos a que se propôs na Ucrânia, que recordo, eram e continuam a ser a desnazificação e desmilitarização total do território em causa, até à fronteira da Polónia.

As Forças Armadas da Federação Russa, em conjunto com o Grupo Wagner e as milícias de Donetsk e Lugansk, até agora foram responsáveis pela destruição de cerca de 6000 tanques e veículos blindados de transporte de pessoal, muitos dos quais doados pelo Ocidente à Ucrânia. Na prática, o que isto significa é que os paióis de armas oriundos da antiga URSS, estão agora esgotados na Europa e daqui para a frente, a única forma que os países da NATO têm de manter o Exército Ucraniano - ou aquilo que resta do mesmo - em combate, é doando equipamento directamente retirado dos seus arsenais e reservas de guerra, que como sabemos, no caso da NATO estão ao nível do miserável, ao ponto de recentemente ter sido noticiado, que a Alemanha apenas possui munições para dois dias de conflito de alta intensidade. Dois dias!

Perante a destruição e o pesadelo que a Rússia tem infligido às Forças Armadas da Ucrânia, é mais do que óbvio que o motivo pelo qual a NATO nunca entregou tanques mais modernos à Ucrânia, como os Leopard alemães ou os Abrams americanos, é porque o Pentágono sabe que esses mesmos tanques iriam acabar por ser destruídos pela Rússia, com praticamente a mesma facilidade com que foram destruídos os tanques ucranianos de origem soviética. Um Leopard ou um Abrams podem, de facto, ser mais modernos e possuir sistemas electrónicos e informáticos superiores a um T-64 ou T-80, porém, se um míssil anti-tanque do Grupo Wagner, ou uma munição de um T-72 russo modernizado, acertar num desses tanques da NATO, o resultado com um grau de 90% de probabilidade vai ser a sua destruição completa. Ora, todos sabemos que nem o complexo militar-industrial americano, nem o Pentágono, podem tolerar os danos que iria provocar na sua reputação, as imagens de dezenas ou centenas de tanques Abrams destruídos e reduzidos a sucata fumegante na Ucrânia. Por este motivo, principalmente, é que os EUA não fornecem os seus tanques mais modernos a Kiev. 

Em boa verdade, os ianques estão totalmente desesperados para esconder do Mundo a sua fraqueza e vulnerabilidade em termos militares e quanto mais os mesmos se envolvem na Ucrânia, fornecendo equipamento e munições de todo o tipo, mais esta fraqueza e vulnerabilidade se torna aparente e cada vez mais impossível de esconder.

Não é possível saber exactamente até quando é que os ucranianos e o regime neonazi em Kiev vão continuar a aguentar, no entanto, com o fim quase total dos fornecimentos maciços de armas e munições do Ocidente à Ucrânia, a par da destruição em curso da rede eléctrica nacional , é de crer que a Ucrânia está neste momento já à beira do colapso e isto significa por extensão, que a NATO e os anglo-sionistas estão também à beira de uma derrota catastrófica na Ucrânia. 

A vitória total da Rússia nesta guerra, será não apenas uma excelente notícia para Moscovo, Pequim e Teerão, mas para todo o Mundo, incluindo os vários povos da Europa, que precisam de se livrar da NATO e das garras dos psicopatas da UE e do Deep State americano, com a maior urgência possível.

Porque é Que os Media Ocidentais Estão a Censurar a Reconstrução de Mariupol?

Esta jornalista independente, está corajosamente a fazer o trabalho que os grandes media ocidentais deviam de fazer e não fazem... 
 
Porque como é claro e por demais evidente, a verdade não lhes interessa, nem nunca lhes interessou. Lixo como a BBC, a CNN, a Fox News, a MSNBC, etc... não passam de órgãos de propaganda e desinformação do Deep State americano. Razão de sobra tem o governo de Daniel Ortega, que em Setembro deste ano proibiu e retirou do ar as transmissões da CNN na Nicarágua.

segunda-feira, 31 de outubro de 2022

E Putin Vence Outra Vez...

 

Eu não gosto de Lula, nem nunca gostei do bando de depravados do PT, que há anos andam a subverter os costumes tradicionais no Brasil, com ideias tiradas directamente da Escola de Frankfurt e que se não forem travadas, vão acabar por trazer apenas desgraça e miséria à sociedade. 

(À margem: É um erro crasso designar a Escola de Frankfurt por "Marxismo Cultural". Karl Marx nunca defendeu ou advogou as ideias socialmente subversivas que no século XX foram desenvolvidas por criaturas como Adorno, Horkheimer ou o insuportável Herbert Marcuse. A Escola de Frankfurt é uma aberração ideológica e é, em boa verdade, uma heresia para os defensores do Marxismo clássico e ortodoxo. Na URSS do tempo de Estaline, gente como Marcuse teria acabado num gulag ou à frente de um pelotão de fuzilamento...)

Porém, também nunca gostei do sionista Bolsonaro, que nunca perdeu uma única oportunidade para se colocar em bicos de pés e declarar o seu amor ao Estado terrorista de Israel. Bolsonaro é um produto acabado de uma certa direita e elite brasileira, que quer manter o Brasil totalmente submisso aos interesses ianques e ao alto capital apátrida e internacionalista. A "liberdade económica" que Bolsonaro quer e apregoa, é a "liberdade" para o Estado servir de porta giratória para colocar dinheiro dos contribuintes nos bolsos dos privados, principalmente, através de privatizações a eito. Quem se lixa com estes esquemas liberais é sempre inevitavelmente o "mexilhão" e é por isso mesmo que Bolsonaro acaba de perder as eleições no Brasil.

Posto isto e perante a guerra em curso contra o Império Anglo-Sionista, o facto é que Lula não sendo de forma alguma uma "flor que se cheire", ele é apesar de tudo e com todos os seus defeitos, um amigo da Rússia e um aliado e camarada da luta contra o Imperialismo Anglo-Sionista. 

Eu não fico feliz com a vitória de Lula da Silva, mas fico satisfeito com o facto de saber que o Eixo da Resistência e Moscovo, têm pelo menos agora um aliado de confiança no Palácio do Planalto.

Algo me diz que esta noite vai haver algumas ratazanas em Washington e Telavive, que não vão conseguir dormir um sono muito tranquilo e vão acabar, inevitavelmente, a sonhar com alguns espectros do passado...

 

sábado, 22 de outubro de 2022

Esta é a Ucrânia Que Acaba de Vencer o Prémio Sakharov 2022

Podem ver no video acima o tipo de Ucrânia que acaba de vencer o prémio Sakharov 2022. Por este andar, um destes dias vamos ver também Adolf Hitler a vencer o Prémio Nobel da Paz a título póstumo, pelos seus grandes feitos militares em prol da contenção da URSS e da "ameaça" comunista.
 

É claro que os animais nazis ucranianos estão de parabéns. A UE também está de parabéns e só lhe faltou, já agora, declarar igualmente o Batalhão Azov e o infame Regimento Kraken, como honrosas organizações de direitos humanos, dedicadas à Paz e à democracia. Isto já se sabe que perseguir, ameaçar, raptar, linchar e torturar civis inocentes até à morte, faz parte da natureza do actual regime neonazi ucraniano e do excremento humano ocidental que apoia esta escumalha. Entretanto, sobre os milhares de civis que têm simplesmente "sumido" na Ucrânia desde 2014, nem uma palavra da UE ou da ONU.

O que vale é que este circo criminoso já não vai durar muito tempo. A Federação Russa está neste exacto momento empenhada no processo de destruição total da rede eléctrica ucraniana, precisamente para paralisar e degradar ao máximo as capacidades militares do regime ucraniano. A junta neonazi de Kiev vai ter de capitular incondicionalmente, a bem ou a mal e no fim, muitos destes banderistas, se entretanto não enfiarem com uma bala nos próprios cornos ou "derem à sola" para o Ocidente das "democracias" luminosas, vão inevitavelmente acabar a prestar contas nos tribunais da Federação Russa, sendo que há coisas muito, muito feias que vão ser reveladas a público no momento certo.

Os russos estão gradualmente a reunir as provas de todo o conjunto de crimes de guerra e contra a Humanidade, que têm estado a ser cometidos pela tropa do judeu sionista Zelenski, mais os neonazis que o rodeiam. Não restam quaisquer dúvidas de que os chefes militares da Ucrânia, têm feito largo uso de armamento fornecido pela NATO e a UE, para atacar indiscriminadamente civis e zonas residenciais. E sim, a UE e a NATO são directamente responsáveis por sevícias atrozes que têm sido cometidas contra a população civil na Ucrânia desde 2014, principalmente no Donbass. Pardon my french, mas merda psicopata como a "senhora" ursula von der leyen e josep borrell, só merecem mesmo é ser atirados para dentro de uma trincheira e de seguida, "tratados" com fósforo e gasolina pelo coiro acima, de preferência ao som do velho clássico alemão Was wollen wir trinken, da já muito esquecida banda "comuna" Oktoberklub:

 

segunda-feira, 17 de outubro de 2022

O Envio de Sistemas de Defesa Anti-Aérea da NATO Para a Ucrânia, é Apenas Revelador do Desespero Que Está a Tomar Conta do Ocidente

 Um sistema de defesa anti-aérea Iris-T, de fabrico alemão. 
 

A NATO, que é sem a menor dúvida a maior, mais poderosa e mais capaz organização terrorista internacional, na face do planeta, está a ficar totalmente desesperada perante os recentes acontecimentos na Ucrânia. A prova cabal disto é o facto de Stoltenberg - que não passa de um sabujo e vendido aos interesses anglo-sionistas, desprovido de qualquer moral ou escrúpulos -  andar agora a mendigar para que os "aliados" da NATO, enviem a sucata obsoleta que lhes resta nos paióis, para o desastre ucraniano, principalmente, sistemas de defesa anti-aérea.

Antes de mais, vou ser aqui claro numa coisa: os sistemas de defesa anti-aéreos da NATO, todos eles sem excepção, não chegam sequer aos calcanhares da tecnologia que a Federação Russa hoje possui em termos de defesa anti-aérea. E ainda vos digo mais uma coisa que vai ser chocante para muitos, só para que tenham noção da real inferioridade militar da NATO: a Coreia do Norte, sim, leram bem, a pequena e "pobre" Coreia do Norte, hoje, sozinha possui um sistema integrado de defesa anti-aérea, com tecnologia e armamento, que é em muitos aspectos mais moderno e capaz, do que aquele que é possuído por qualquer País da NATO/OTAN. Idem para a República Islâmica do Irão, que tem também desenvolvido sistemas de defesa anti-aérea modernos e extremamente capazes, que já provaram várias vezes a sua qualidade no passado. 

A NATO, como eu já expliquei e demonstrei inúmeras vezes neste blogue, não passa de um tigre de papel e está hoje muito atrasada no que diz respeito à tecnologia de mísseis e sistemas de defesa anti-aérea, sendo que até mesmo as armas supostamente mais capazes que a NATO hoje possui no seu arsenal em termos de tecnologia anti-aérea, como os agora muito falados sistemas Iris-T e os NASAMS, são significativamente inferiores aos sistemas de defesa anti-aérea que a Rússia tem desenvolvido nas últimas décadas, como o S-400, ou o ainda superior S-500 e o Pantsir-S2. O Irão e a Coreia do Norte, também possuem sistemas muito semelhantes a estes e em certos aspectos, há quem até considere que os sistemas de defesa anti-aérea da República Islâmica, são ainda superiores aos da Rússia, em determinadas especialidades, possuindo características únicas, que resultam do fortíssimo investimento que o Irão tem feito na sua indústria militar, principalmente nos campos da tecnologia balística e anti-aérea.

Os sistemas de defesa anti-aérea da NATO, para além de não meterem medo a ninguém, são sucata perfeitamente inútil contra o tipo de armamento moderno que a Federação Russa está a empenhar no teatro ucraniano. Mísseis como o 3M14 Kalibr, o Kh-101, o Iskander, ou o fenomenal P-800 Onyx, pura e simplesmente, são quase impossíveis de interceptar e não existe nada nos arsenais da NATO, que consiga travar este tipo de armamento.  Drago Bosnic, do South Front, sobre isto faz uma análise bem clara e que não deixa margem para dúvidas:

«So far, NATO countries have sent thousands of MANPADS (man-portable air defense systems), but their impact doesn’t go beyond the tactical level. However, most countries of the political West lack mid to long-range SAM systems which could replace the Kiev regime’s losses, as such systems have never been the focus of the Western style of warfare which is based on the concept of air dominance. Thus, even the somewhat longer-range NASAMS, which uses more advanced radar-guided missiles, is extremely unlikely to hurt Russian forces. This is especially true when it comes to Russian missiles, both low-flying subsonic cruise missiles such as the now-legendary “Kalibr” and the high-flying hypersonic missiles like the “Iskander” or “Kinzhal”. The latter is capable of speeds in excess of Mach 12 (approximately 4 km per second), making it virtually impossible to intercept by any means at NATO’s disposal.»

Aquilo que a CNN e o restante merdume mediático - que todo o Santo dia cospem mentiras na televisão - não vos dizem, é que a tecnologia da NATO em termos de sistemas de defesa anti-aérea, é bastante primitiva e pouco evoluiu desde a década de 1980, apesar de a propaganda da NATO querer fazer passar uma ideia exactamente oposta a esta. Os russos, ao invés, têm dado passos de gigante desde os anos 1990, no que diz respeito ao desenvolvimento e aperfeiçoamento progressivo das suas capacidades de defesa anti-aérea. Actualmente, estas capacidades russas evoluíram ao ponto de pela primeira vez na história, a Rússia ser o primeiro País do Mundo que consegue interceptar mísseis e rockets avançados, de todos os tipos e numa escala nunca antes vista. Nenhum outro País do Mundo, repito, nenhum outro País do Mundo, alguma vez demonstrou esta capacidade, na escala e na qualidade com que os russos a estão a demonstrar na Ucrânia. 

Em Abril de 2021, eu publiquei um artigo neste mesmo blogue, onde eu advogava que os EUA e a NATO, são hoje uma potência militar significativamente inferior à Rússia. Eu continuo a defender cada linha que escrevi nesse artigo e mantenho e repito: sim, os EUA e a NATO são militarmente inferiores à Federação Russa, de forma bastante significativa e tudo aquilo que se tem passado na Ucrânia desde 24 de Fevereiro, apenas confirma e reforça este facto

A NATO, os EUA e a UE, estão a ser brutalmente humilhados na Ucrânia e a derrota que vão sofrer neste teatro de operações, vai ser não apenas esmagadora e catastrófica do ponto de vista geoestratégico e militar, como também do ponto de vista psicológico.

quarta-feira, 12 de outubro de 2022

A Rússia Preocupa-se Mesmo Com as Populações Que Está a Libertar na Ucrânia

Podem ver aqui um video que mostra um grupo de soldados russos a levarem crianças ucranianas descalças a uma sapataria, para poderem comprar sapatos novos. Isto passou-se algures no Donbass e os sapatos foram pagos com dinheiro de um fundo de donativos voluntários, oriundo da Federação Russa:

 
 

No link abaixo, do blogue PortugueseMan, podem ver como a Rússia está a investir de forma pesadíssima na reconstrução e requalificação do património destruído pela guerra em Mariupol. Os primeiros apartamentos novos em folha, construídos após a libertação de Mariupol, já foram entregues no início de Setembro e há muitos mais a caminho:

https://portugueseman.blogspot.com/2022/09/mariupol.html

É evidente que a Rússia se preocupa mesmo com as populações que está a libertar na Ucrânia e está a fazer tudo aquilo que pode, não só para lhes trazer segurança, como também o máximo de bem-estar e conforto possíveis. 

Pessoalmente, não acredito que os russos parem de avançar na Ucrânia até no mínimo tomarem Odessa e chegarem à Transnístria, cortando assim por completo o acesso de Kiev ao Mar Negro. Aquilo que eventualmente restar da Ucrânia, vai posteriormente também ter de ser desnazificado e desmilitarizado, ou seja, vai ter de haver uma total mudança de regime em Kiev, de forma a puder haver Paz. 

A única "negociação" que a Rússia vai aceitar a partir de agora, é a "negociação" para determinar os termos de rendição da NATO e a capitulação total e incondicional do governo neonazi ucraniano. Se os ucranianos e a NATO recusarem capitular, Moscovo vai simplesmente forçar a sua vontade através de uma derrota militar total da Ucrânia, tal como fez com a Alemanha de Hitler em 1945.  

O Ocidente escusa de continuar a enviar armamento maioritariamente obsoleto e despejar dinheiro na Ucrânia, pois tal só reforça a determinação do povo russo em derrotar a NATO, ao passo que vai levar a um endurecimento das condições russas, para os termos de rendição que serão impostos à NATO, à Ucrânia e à UE, quando este conflito inevitavelmente terminar. Lavrov já avisou há não muito tempo atrás que é assim que as coisas vão ser e se vão passar, quer o Ocidente goste ou não.

 

segunda-feira, 10 de outubro de 2022

Sejam Bem-Vindos à Nova Fase da Operação Militar Especial


Os ucranianos e a NATO pediram a guerra total e é a guerra total que parece que vão ter a partir de agora:

https://www.moonofalabama.org/2022/10/russia-having-run-out-of-missiles-launches-barrage-on-ukraine.html 

https://www.rt.com/russia/564385-putin-promises-response-ukraine-terrorism/

https://southfront.org/russia-starts-to-fight-for-real-overview-of-strikes-in-ukraine/

https://thesaker.is/terror-on-crimea-bridge-forces-russia-to-unleash-shockn-awe/

Os terroristas e quem os apoia não têm, nem podem ter, direito a paz ou sossego. O regime que hoje governa a Ucrânia é um regime criminoso e genocida, um regime terrorista, que se aliou à pior escumalha que existe na face da Terra, com o fim único de agredir e pilhar a Rússia e o Mundo Civilizado. 

A NATO não é uma aliança de nações civilizadas, mas sim, uma aliança de bárbaros e servos de Satanás, que tem de ser contida e por fim, destruída, custe aquilo que custar. Ora, foi precisamente com este nobre objectivo em vista, que o Presidente Vladimir Putin e as Forças Armadas da Federação Russa, deram início à Operação Militar Especial, a 24 de Fevereiro, que tem sido estrategicamente apoiada na retaguarda e na frente económica, pela China e o corajoso Irão, que têm sido aliados exemplares em tudo e que sabem, sem a menor dúvida, que se a Rússia perder esta guerra santa, eles serão inevitavelmente os próximos alvos do terrorismo internacional da NATO e do Império Anglo-Sionista

Está na hora de colocar fim, de uma vez por todas, ao reinado de terror e destruição sem paralelo, que os Rothschild e os seus sequazes, há mais de uma século andam a lançar sobre o Mundo e a Humanidade, fomentando divisões onde elas não existem e criando conflitos sangrentos e em muitos casos genocidas, que visam apenas aumentar o poder da máfia judaico-globalista internacional.

Sejam, portanto, bem-vindos à nova fase da Operação Militar Especial. Tal como disse Dmitri Medvedev há apenas algumas horas no Telegram, o que está a acontecer hoje na Ucrânia, constitui apenas o "primeiro episódio" do que aí vem e isto, não tenham a menor dúvida, apenas irá terminar com "o desmantelamento total do regime político na Ucrânia." Nada menos do que isto é aceitável para Moscovo, Pequim e Teerão. Os neonazis que sequestraram a Ucrânia, ou rendem-se incondicionalmente, ou serão completamente destruídos, tanto no plano físico, como no plano moral e ideológico. 

Zelenski, Biden, Borrell e a inenarrável Ursula Von Der Leyen, se ainda possuem alguma réstia de honra, o melhor que têm a fazer é seguirem o exemplo de Hitler e enfiarem um tiro nos próprios cornos, poupando-se assim à humilhação pública que aí vem a caminho, "rapidamente e em força", como diria Salazar.

É Assim Que Treinam os Combatentes do Grupo Wagner...

 

Não é acaso que o Grupo Wagner tem a reputação internacional que tem e já agora, diga-se de passagem, só esta empresa privada de segurança ou organização paramilitar - chamem-lhe o que quiserem - possui hoje mais capacidades e meios de combate, do que o Exército Português, que nem munições suficientes possui para uma semana de conflito de alta intensidade.

Os cristãos da Síria devem muito ao Grupo Wagner, que ao lado dos militares sírios e russos, e contando com a ajuda preciosa do Irão e do Hezbollah, esmagou o terrorismo patrocinado pelo Ocidente na Síria. Actualmente, o Grupo Wagner está a combater com toda a sua força e capacidade no teatro ucraniano, onde mais uma vez, está a encontrar pela frente uma força terrorista, que é 100% armada e patrocinada pela NATO e os governos ocidentais. Esta escumalha ocidental, não tenham qualquer dúvida sobre isto, será totalmente derrotada e humilhada no campo de batalha, tal como os terroristas do "Estado Islâmico" o foram. 

Os tarados da UE e da NATO que peçam perdão a Deus, pois da parte do Grupo Wagner e da Federação Russa, certamente e da forma como as coisas estão, não o irão encontrar...

 

domingo, 9 de outubro de 2022

Quem Sabotou o Nord Stream Foram os EUA

 

Mas é claro que os traidores à Pátria que controlam os governos europeus de Lisboa a Varsóvia, nunca vão admitir nada disto. As marionetas europeias da elite satânica que controla Washington, continuam a obedecer cega e fielmente às ordens que recebem. O objectivo do governo americano há muito que é colocar a Europa total e inteiramente à mercê dos EUA e isso significa, ter de destruir as respectivas indústrias e economias europeias. 

Desde o início do conflito que decorre na Ucrânia, os EUA têm tentado ao máximo cortar todas as ligações económicas da Europa com a Rússia, principalmente no que diz respeito ao campo da importação da energia. Os EUA almejam impingir aos europeus o seu gás, que precisamente por ser muito mais caro do que o russo, vai destruir a competitividade económica da Alemanha e por arrasto, da própria UE. Sem acesso aos recursos minerais baratos que a Rússia pode fornecer à Europa, a indústria europeia está condenada à morte e é exactamente isso que o governo americano pretende, para nos ter a todos de joelhos e de mão estendida, a implorar por "ajuda" económico-financeira a Washington. 

Aquilo que os governos da UE estão neste preciso momento a fazer aos seus próprios países, a mando da criminosa administração Biden, constitui traição à Pátria ao mais alto nível.

terça-feira, 4 de outubro de 2022

A Histeria de Petraeus, os Paióis do Ocidente e o Que aí Vem...

Os bravos chechenos de Ramzan Kadyrov, continuam em combate no Donbass e como podem ver pelo video, parece que também continuam a levar a cabo os seus deveres com afinco. Estes são, sem dúvida alguma, os melhores soldados que a Federação Russa tem ao seu dispor neste momento.

Bastaram sete meses de combate, para esvaziar os paióis do Ocidente. Helmholtz Smith explica:

Entretanto, os paióis da Federação Russa, tanto quanto se sabe, continuam bem abastecidos e acima de tudo, continuam a ser reabastecidos por uma indústria militar pujante e moderna, que está neste momento a funcionar 24/7 e que é alimentada pelos recursos naturais quase inesgotáveis da Rússia. Os governos terroristas da UE, geridos como são por gente ignorante, corrupta e incapaz, não avaliaram bem aquilo em que se meteram, antes de se envolverem na actual guerra contra a Rússia. Agora a UE/NATO vai ter de pagar o preço. Sem energia, largamente carente de recursos naturais e completamente desindustrializado, o Ocidente está a caminho de bater em cheio com os "cornos" contra uma parede de betão sino-russa, reforçada com aço iraniano...

O general Petraeus, que nunca ganhou merda nenhuma na vida e não passa, de resto, de um militar falhado e de um perfeito sabujo do Deep State e do complexo militar-industrial dos EUA, veio ontem proferir mais uma das suas muito cómicas ameaças contra as Forças Armadas da Federação Russa: 

https://www.theguardian.com/world/2022/oct/02/us-russia-putin-ukraine-war-david-petraeus

Verdade seja dita, esta histeria de Petraeus e toda a restante insanidade que está diariamente a ser vomitada pelos órgãos de propaganda da NATO no Ocidente, tem uma razão de ser, tal como explica o fantástico Andrei Martyanov neste video:

 
 

A dita "contra-ofensiva" dos ucranianos, a propósito da qual quase todos os dias se anunciam grandes "vitórias" do regime de Kiev, na prática, está a ser um grande massacre que está a desgastar de forma horrível as forças dos ucranianos. Todas as ditas "vitórias", repito TODAS as "vitórias" que os ucranianos têm obtido nesta suposta "contra-ofensiva, têm sido vitórias de Pirro, que têm resultado em baixas pesadíssimas, tanto materiais, como humanas, para o lado ucraniano. Os russos, pelo contrário, têm retirado com um número mínimo de baixas, garantindo simultaneamente, que os ucranianos sofrem sempre o maior número de baixas possível. O objectivo russo é por demais óbvio: segurar Kherson no Sul, mas permitir alguns avanços ucranianos a Norte, nomeadamente em Kharkiv, oferecendo consequentemente algumas vitórias de Pirro aos ucranianos, que vão assim entrar no inverno completamente esgotados e exaustos. É de esperar o início de uma ofensiva em larga escala da parte da Rússia nas próximas semanas. Os russos vão atacar exactamente quando os ucranianos e o Ocidente/NATO estiverem na sua posição mais vulnerável e frágil, com a chegada do inverno, que para grande alegria dos russos, vai coincidir com o esgotamento inevitável dos paióis da NATO.

Percebem agora o porquê da histeria de Petraeus e semelhantes aves raras? É que ele, lá no fundo, sabe o que eu também sei e sabe o que os russos estão a preparar. Só não sabe quem não quer, ou quem depende única e exclusivamente da CNN, para obter a sua informação...

sexta-feira, 30 de setembro de 2022

"Meu Coronel, a Rússia Pode Perder Esta Guerra?"

 
 

A pergunta foi feita ontem pelo Juiz Napolitano ao Coronel Douglas Macgregor e a resposta, que dura cerca de vinte minutos, está no video acima. Ainda restam alguns oficiais militares no Ocidente que falam a verdade e Douglas Macgregor, sem dúvida alguma, é um deles. Aliás, é exactamente por este motivo, que o mesmo nos últimos anos acabou quase totalmente banido dos mainstream media, que não têm a coragem de dar a voz a quem diz aquilo que realmente pensa e que, contra ventos e marés, não tem medo de assumir as suas posições e dar a cara pelas mesmas. 

Mudando ligeiramente de tópico, mas não assim tanto, Vladimir Putin irá com toda a probabilidade discursar hoje e é bem possível, que este possa muito bem vir a ser o discurso geopolítico mais importante do século. Tal como disse Putin em Julho, a Rússia "ainda nem sequer começou nada a sério" e os governos terroristas do Ocidente, mais as suas elites apócrifas, se querem mesmo combater uma guerra contra a Federação Russa, então a vontade irá ser-lhes feita. Como Big Serge escreveu ontem, esta guerra ainda agora começou e o que aí vem, não tenham dúvida alguma, vai ser o Inverno do Yuri, que irá culminar não apenas com o desarmamento da Ucrânia, mas da própria NATO na Europa:

https://bigserge.substack.com/p/the-war-has-just-begun

Portanto, meus amigos e caros leitores, a hora da justiça e do acertar de contas, aproxima-se a passos largos, sendo que não vai faltar muito para vermos as elites traidoras da UE e da NATO, tanto militares, como civis, a entrar em verdadeiro pânico. Por sinal e porque hoje também é sexta-feira, a banda sueca Parasite, em 1984, lançou uma música chamada Nightwinds, que se adequa bem ao espírito do momento épico que aí vem:

 

quarta-feira, 28 de setembro de 2022

Giorgia Meloni: Mulher Católica, Pós-Fascista e Marioneta dos Anglo-Sionistas

 

Giorgia Melonia, a suposta conservadora "pós-fascista" que tem dado muito que falar nos últimos dias e que agora, passou a ser a nova Primeira-Ministra da República Italiana, não é aquilo que muitos pensam que ela é. Leiam por vós este excerto, pois eu não ando aqui a inventar nada, foi isto que a própria senhora Meloni disse recentemente ao jornal Israel Hayom, numa entrevista publicada no passado dia 16 de Setembro de 2022:

«Q: Have you ever visited Israel? Are you planning to do so soon?

"Yes, certainly. I was on an official visit to Israel when I was serving as minister during the last Berlusconi government. It was a very significant mission, with the moving visit to Yad Vashem: a conscience-shaking experience. I will certainly return to Israel, hopefully soon. It was something I was considering due to my role as president of the European Conservative Party, of which Likud friends are also members. But the war in Ukraine, the political crisis in Israel, and then the early elections in Italy as well have changed the agenda. I hope to return there as soon as possible, this time as head of government, to discuss together with the new Israeli government about joint collaborations and strategies, starting with those for the supply of natural gas through the eastern Mediterranean Sea."

Q: What is for you the importance of a Jewish state?

"Israel represents the only fully-fledged democracy in the broader Middle East, and we defend without any reservations its right to exist and live in security. I believe that the existence of the State of Israel is vital, and Fratelli d'Italia will make every effort to invest in greater cooperation between our countries. After all, this has been the friendly attitude that the Italian Center-Right has always held towards Israel whenever it has been in government. On the other hand, the Left cannot say the same, not traditionally and neither in this election campaign, which has brought to light repeated incidents of left-wing candidates being caught writing antisemitic-flavored posts on their social media."

Q: Do you see a connection between those who call to destroy Israel militarily or through boycotts as a continuation of traditional antisemitism?

"Yes, and I also think that one of the most common manifestations of antisemitism today is anti-Israel propaganda, which Jews in Europe are most likely to encounter online. Jews in Europe are also subjected to the threat coming not only from Far-Left and Far-Right factions but especially from radicalized Islamic immigrants who feed on resentment with regards to Israel. I recall the recent death of young Jeremy Cohen, who was trying to flee an antisemitic attack in the suburbs of Paris when he was killed by a tram. Because the tragedy would have drawn attention to the failure of integration policies, few European media outlets chose to report it. Therefore, as European Conservatives and Fratelli d'Italia, we strongly support the new European Union strategy against antisemitism. Israel is and ought to continue to be a crucial ally of the European Union in the endeavor to eradicate this evil worldwide. We support efforts to increase young students' understanding of Jewish history, religion, and culture. This will support the elimination of societal prejudices and the full acceptance of Jewish customs in Europe."

Q: Will a government headed by you recognize Jerusalem as Israel's capital and move the Italian embassy from Tel Aviv to Jerusalem?

"This is a very sensitive issue, on which I think the next Italian government, like all those before it, will have to act in synergy with our partners in the European Union."

Q: Italy has close economic relations with Iran. How, in your opinion, should the West prevent Iran from becoming a military nuclear power and how can Italy contribute to it?

"Sanctions have had a heavy impact on many Italian companies that had built strong economic ties with Iran, nevertheless it is certainly not time for second thoughts unless certain conditions are met. Indeed, we are extremely concerned about Iran's role in the region, its ongoing rapprochement with Russia and China, its continued support for Hezbollah, which continues to threaten Israel's security, as well as the IAEA's report indicating that there are insufficient effective controls over Iran's missile development. Without additional assurances for Israel, which is reasonably anxious about the timing of uranium enrichment required to create the atomic weapon, we believe it will be difficult to revive the 2015 deal. We firmly supported the Abraham's Accords as a means of maintaining regional stability and curbing down Iran's aggressive foreign policy; therefore we believe they should be further implemented."

Q: How can one stop the war in Ukraine and do you fear a greater war in Europe?

"The war on Ukraine is not only a blatant violation of international law, an aggression against the territorial integrity of a sovereign nation, and a manifestation of Russian expansionism but an attempt to subvert the current world order to the detriment of the West and for the benefit of communist China. A scenario that Europe must strongly reject. A possible expansion of the war to other Eastern European nations is an eventuality denounced by our Polish friends, which unfortunately we must not underestimate. For this reason, we must not stop supporting Ukraine. Look, I say this firmly but with just as much regret, even knowing the special ties that historically unite Israel and Russia. In 2002, Italy itself hosted a NATO-Russia summit to build an enlarged West and face together the threat brought by Islamic terrorism. Twenty years have passed, that prospect has stalled, and Putin has unfortunately crossed a red line."

Q: Should the West and the EU increase sanctions on Russia or should they seek to soften the pressure on Moscow in order to advance a diplomatic solution?

"The Ukrainian counteroffensive these days demonstrates that the stranglehold exerted by sanctions and the sending of weapons to Kyiv is beginning to work and I do not think it should be loosened. It does, however, raise an issue of the endurance of Europe and the West vis-à-vis the economic and political cost of the sanctions, which clearly impact differently from nation to nation, with some major Western states even enriching themselves from this situation. That is why we have for some time been strongly calling for the creation of a compensation fund, supplied by the EU and NATO countries (the US first and foremost), to support the most vulnerable nations and to prevent Russian propaganda from making its way to the very many people who will have enormous subsistence problems next fall."»

Portanto, estamos aqui perante uma clara pró-sionista assumida, que simultaneamente se quer apresentar ao seu eleitorado como uma tradicional católica conservadora, com alguns discretos traços ideológicos herdados do Fascismo Italiano à mistura. A senhora Meloni diz acreditar abertamente que a existência do Estado de Israel é "vital" e na sua opinião, qualquer crítica a Israel deve ser considerada anti-semitismo. Tomem lá goyim, aqui têm a vossa grande "nacionalista católica" e "pós-fascista" em acção!

Mas há mais, a senhora Meloni, como qualquer bom lacaio do poder anglo-sionista e dos Rothschild, promete que vai aumentar a cooperação entre a Itália e Israel, pois Israel, garante-nos Meloni, é a "única democracia do Médio Oriente". Tomem lá de novo e embrulhem, goyim! Queriam uma nacionalista católica? O que têm, ao invés, é uma perfeita marioneta do poder sionista internacional, que vai fazer aquilo que toda a oposição controlada faz sempre, ou seja, prometem e ladram muito contra o sistema, mas assim que se apanham no poder, continuam a servir fielmente o sistema, por vezes até com ainda mais afinco do que os que estavam no poder anteriormente. 

A oposição controlada, que é aquilo que Giorgia Meloni parece ser a 100%, funciona basicamente como uma válvula de emergência do sistema, que serve para garantir a continuação política do sistema, quando os partidos tradicionais do dito sistema, perdem popularidade e começam a perder eleições. André Ventura em Portugal é um perfeito exemplo desta estratégia. Idem para a família Le Pen em França. Orbán, Trump e Bolsonaro também nunca me inspiraram confiança nenhuma.

Giorgia Meloni, é um exemplo acabado do típico rebaixamento e subserviência das elites políticas europeias a Israel e aos interesses sionistas. É deste rebaixamento e desta subserviência, que vêm os ataques de Meloni contra o Irão e o Hezbollah, que a par da Rússia e da Síria, são hoje os maiores aliados da Cristandade no Médio Oriente. Meloni também tem um claro problema com a China, alegadamente por esta ser governada por um regime "comunista", porém, Meloni nitidamente é ignorante no que diz respeito ao Partido Comunista da China (PCC), caso contrário, ela saberia que o PCC é hoje um dos partidos mais ferozmente conservadores, patrióticos e nacionalistas que existem na Ásia e no Mundo. E sim, o PCC realmente é uma ameaça, mas é uma ameaça para os anglo-sionistas e para os traidores vendidos como Giorgia Meloni, que há muito perderam a sua honra e qualquer noção de verdadeira decência. 

Por fim, temos a "delicada" questão ucraniana, questão esta em que a senhora Meloni parece também alinhar a 100% com a narrativa oficial do sistema, repetindo o mantra dos tarados da UE, ou seja, a ideia de que temos de continuar a apoiar os nazis da Ucrânia, com o dinheiro roubado aos contribuintes, nem que isso signifique miséria, sofrimento e crise em larga escala para toda a Europa, incluindo obviamente a Itália. Ademais, Meloni também considera necessário combater a dita "propaganda russa", ou seja, censurar e perseguir ainda mais todos os jornais, websites e blogues como este, que afrontam directamente a narrativa oficial que o sistema nos quer à força enfiar pela garganta abaixo. 

Creio que Meloni e o seu governo estão apresentados e verdade seja dita, só gente muito ingénua e mal informada, é que poderia esperar outra coisa de figuras assim.

Perante o marasmo político, ideológico, económico e social em que a Europa se encontra hoje, qual Sodoma e Gomorra, o Presidente Vladmir Putin continua a ser o único verdadeiro dirigente europeu que resiste e luta com tudo o que pode, contra a cabala globalista e o Império Anglo-Sionista. É por este e apenas por este motivo, que Vladimir Putin e a Rússia estão sob ataque cerrado dos traidores que hoje sequestram o poder nas capitais do Ocidente:

https://toranja-mecanica.blogspot.com/2022/03/porque-e-que-vladimir-putin-esta-sob.html

Sem a menor hesitação ou dúvida, é em Vladimir Putin que todos os patriotas devem de procurar inspiração e apoio político, e acima de tudo, devem de perceber que sem Rússia não haverá uma Europa próspera e segura. Uma Federação Russa forte é essencial para garantir não apenas a ordem e a segurança na Europa, mas a própria prosperidade industrial da Europa, que sem acesso aos recursos naturais da Rússia, irá inevitavelmente definhar economicamente e ficar completamente à mercê dos EUA

Quem não quer uma Rússia próxima da Europa e está a fazer de tudo para destruir por completo as relações entre a Europa e a Rússia, são os EUA e Israel, isto é, a elite anglo-sionista, que precisa de destruir a Rússia, para posteriormente poder destruir a China e assim garantir a continuação da ordem unipolar mundial. Políticos como Giorgia Meloni e Salvini, são os meros instrumentos, as marionetas deste grande plano dos Rothschild, que visa, em última análise, subjugar-nos a todos e colocar-nos colectivamente à mercê de uma lunática distopia globalista, onde as nações cessarão de existir e seremos todos escravos de Israel e do "povo eleito". Ora, é contra isto que hoje a Rússia, a China, o Irão e todos os seus aliados se batem com tudo o que têm, e é precisamente por isto, que este países e quem os apoia, são atacados e difamados tanto pela imprensa mentirosa do Ocidente, como por figuras vendidas como Giorgia Meloni. 

A Europa e o Ocidente estão na merda e na merda vão continuar, enquanto os europeus não se libertarem, pela força se necessário, dos eurocratas de Bruxelas e de toda a canalha política traidora pró-UE e pró-NATO, que diariamente nos atormenta a vida. É tão simples quanto isto e já agora, querem ver o que é que é uma verdadeira mulher patriota, que serve fielmente o seu País e que não se vende, nem a si, nem aos seus? Aqui a têm fotografada, por ocasião de uma recente visita oficial a Teerão, chama-se Maria Zakharova e é actualmente a representante oficial do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Federação Russa:

 

domingo, 25 de setembro de 2022

E Enquanto Decorrem os Referendos no Leste da Ucrânia...

O jornalista britânico, Graham Phillips, pelos vistos está-se a divertir muito a entrevistar as moças do Donbass 😁😁😁:

 

E aqui têm mais outra peça, da autoria do mesmo Graham Phillips, que está actualmente a ser alvo de sanções e perseguição de toda a espécie da parte do governo de "sua majestade", por produzir jornalismo deste tipo aqui:

 

Moças e referendos à margem, isto é jornalismo a sério e não verão nada disto a ser reproduzido em nenhuma televisão ou jornal do sistema no Ocidente. Aliás, é exactamente por este tipo de jornalismo constituir uma ameaça existencial para o sistema, que Graham Phillips e outros verdadeiros jornalistas ocidentais, que afrontam directamente a narrativa oficial do sistema, estão a ser alvos de censura, perseguição e ameaças de toda a ordem. É que sabem, a verdade incomoda e muito os judeus sionistas que controlam a narrativa oficial no Ocidente. Infelizmente é isto que temos e é neste estado que o muito "democrático" Ocidente se encontra.

sábado, 24 de setembro de 2022

Este é o Desastre Total Que os Ucranianos Estão a Sofrer em Kherson

 

E claro que os media ocidentais do sistema, o "nosso" jornalixo de qualidade, como já seria de esperar, continua a ocultar tudo isto do público em geral. A verdade não convém a esta gente, o que lhes convém são as mentiras e a propaganda de abéculas tristes como o pseudo-general isidro de morais pereira e o ignorante do josé milhazes (em letra minúscula...), que todo o dia cospem alarvidades em latrinas como a CNN e o Observador. Mas esperem mais alguns meses e verão como toda a montanha de mentiras vai começar a quebrar como porcelana. O frio, a inflacção galopante e a derrota estrondosa que a Federação Russa e os seus aliados vão impor à NATO na Ucrânia, vai deitar por terra de vez todas as fantasias. 

Entretanto, todos os ocidentais que voluntariamente desejem combater pela Federação Russa, devem de se apresentar nas embaixadas russas dos seus respectivos países, ou pessoalmente em Moscovo. A Federação Russa recompensará generosamente todos os voluntários estrangeiros que a desejem servir.

 

quarta-feira, 21 de setembro de 2022

A NATO Quis Uma Guerra a Sério Contra a Rússia e Agora Vai Ter a Guerra Que Pediu...

A comunicação integral, do Presidente Vladimir Putin, a anunciar a mobilização parcial das Forças Armadas da Federação Russa.

Como todos já devem de saber, esta manhã o Presidente da Federação Russa, Vladimir Putin, anunciou aquela que é a maior mobilização militar na Rússia desde a Segunda Guerra Mundial. O Ministro da Defesa, Sergei Shoigu, também falou, descrevendo e explicando com grande pormenor a situação real no terreno e o porquê de o governo russo estar a tomar as decisões que está a tomar.

Recentemente, eu já tinha abordado neste blogue o facto de a Rússia estar a combater na Ucrânia, de uma forma que vai contra toda a doutrina militar convencional. Com os meios humanos e materiais que os generais russos estão a empregar no teatro de operações da Ucrânia, se estes estivessem a fazer frente apenas à Ucrânia, este conflito já há muito que teria terminado. Ora, o que se passa é que este conflito - como já seria de esperar - acabou por se transformar numa guerra existencial tanto para a Federação Russa, como para o Império Anglo-Sionista, que está a apostar todas as suas cartas e tudo aquilo que lhe resta basicamente, na frente ucraniana. Os anglo-sionistas (EUA, NATO, UE e Israel), estão agora completamente desesperados para travar a Rússia e Putin sabe disto. Xi Jinping e Modi também o sabem e foi por isso mesmo que no recente encontro com estes dois líderes, por ocasião da recente Cimeira da Organização para a Cooperação de Xangai, Putin mais uma vez tratou de garantir e reforçar o apoio e a cooperação económica, política e militar tanto da China, como da Índia. 

Por mais que o Ocidente tente esconder ou disfarçar o que se está a passar, a verdade é que os indianos não se esquecem da humilhação que sofreram na própria pele, por via do "humanitário" e muito "civilizado" Colonialismo Britânico, que foi, diga-se de passagem, o grande incubador do monstro anglo-sionista que o Mundo hoje enfrenta. A escolha para Narendra Modi, portanto, é muito simples e só pode ser uma, ou seja, o apoio publicamente discreto, mas muito sólido a Putin e à sua política. Idem para Xi Jinping e o povo chinês, que não se esquecem daquilo que foi o Século da Humilhação às mãos dos britânicos e da autêntica barbárie imoral, que foram as Guerras do Ópio. Por tudo isto e muito mais, é que os chineses e indianos jamais vão abandonar ou "esfaquear" a Rússia pelas costas. Esta regra também se aplica ao Irão, à Coreia do Norte, a Cuba, à Venezuela, à Síria e a todos os outros povos e nações, que ao longo das últimas décadas têm sido vítimas da selvajaria pseudo-democrática, que o Ocidente e a NATO agressivamente exportam e querem impor à força ao Mundo inteiro.

A mobilização militar hoje decretada por Putin, corresponde a apenas 1,2% de todo o potencial militar da Federação Russa. E sim, a Rússia tem armas e munições modernas de sobra, que chegam para equipar estes e muitos, muitos mais militares, se tal for necessário. A NATO quis e fez tudo o que podia para ter uma guerra a sério contra a Rússia e agora, vai ter a guerra que pediu. Sobre isto que não restem quaisquer equívocos. A excelente análise de Andrei Raevsky sobre o que se está a passar, é peremptória e não deixa dúvidas sobre o que aí vem:

«So, after lots of speculation, we now know that the Kremlin has decided to mobilize about 300’000 soldiers from a total mobilizational potential of 25’000’000 soldiers.  That’s just a little over 1% of Russia’s mobilizational potential.  We are talking only about those soldiers who have an official status of “reserves” and all of them will have to undergo a special training before being sent to the Ukraine.

A few comments about this decision:

In other words, Russia is preparing for an escalation of this war in the coming months.  She is basically augmenting her forces to a level which could deal with a major NATO escalation in the Ukraine (and elsewhere as not all mobilized forces would have to be combat units; deploying more C4ISR capabilities, logistics/supply forces or civil affairs and counter-terrorism units would also make sense).»

Vamos agora aguardar para ver qual vai ser a reacção dos generais e oficias da NATO - principalmente dos EUA - que nunca conseguiram ganhar uma batalha ou guerra na vida e não passam, em termos gerais, de militares falhados e traidores à Pátria ao serviço do Deep State. A estes tristes sem honra, a única e principal arma estratégica de valor que lhes resta neste momento, com excepção das ogivas nucleares, verdade seja dita, é a da guerra psicológica dirigida principalmente contra os seus próprios cidadãos, ou seja, a propaganda e a desinformação sem limites. É no campo da manipulação, da mentira e do engano puro e simples, que os anglo-sionistas sempre foram excepcionais e direi até mesmo, praticamente imbatíveis, nada ficando a dever a Joseph Goebbels e ao seu infame Ministério da Propaganda. No entanto, a propaganda só por si nunca ganhou guerras e o temível General Inverno, logo tratará de mostrar à população e fazer sentir com bastantes calafrios e inflação muito dolorosa, a verdadeira realidade para onde os anglo-sionistas e os seus lacaios, tragicamente conduziram a Europa. A fome e o frio sempre foram o melhor remédio contra a propaganda dos governos...

Infelizmente, muitos no Ocidente, tanto militares, como civis, ainda não perceberam que a Rússia não é o Iraque de Saddam Hussein ou a Líbia de Muammar Gaddafi. Toda a NATO e os governos terroristas do Ocidente, que têm andado a encher a Ucrânia de armas e a apoiar abertamente gangues de neonazis, em breve vão perceber isto muito bem e vão também pagar um preço muito pesado e muito duro, por tudo aquilo que têm andado a fazer na Ucrânia e não só.

Que Deus abençoe e proteja as Forças Armadas da Federação Russa.

Rossiya, vperiod!

 
 Um pequeno "aperitivo" das operações militares que estão a decorrer na Ucrânia e que se vão agora intensificar, cortesia da Força Aérea da Federação Russa:

domingo, 18 de setembro de 2022

Conferência de Imprensa de Vladimir Putin na Organização Para Cooperação de Xangai - Setembro de 2022

 
 

Aqui estão as palavras do Presidente Putin, na íntegra, sem censura ou filtros dos media do sistema e devidamente traduzidas. Isto aqui, não tenham a menor dúvida sobre este facto, é o verdadeiro Presidente Putin, ou seja, o Putin que o sistema e os seus agentes tentam a todo o custo esconder do público ocidental, e que é permanentemente difamado e atacado em todos os canais de televisão e jornais da Europa e dos EUA. 

A máfia judaico-globalista internacional, está neste momento verdadeiramente desesperada para travar a Rússia e o movimento de resistência internacional, que está a afrontar directamente a ordem unipolar mundial do Império Anglo-Sionista. Porém, nada, nem ninguém, irá agora parar ou demover a Rússia e os seus aliados de atingirem os seus objectivos a 100%. O Império Anglo-Sionista é para vir mesmo abaixo, custe o que custar e sim, isto implica necessariamente fazer implodir a UE e a NATO e consequentemente, libertar a Europa, colocando as suas actuais elites político-sociais no único lugar que merecem, que é o caixote de lixo da história.

sábado, 17 de setembro de 2022

Morte, Sofrimento e Liquidação Total: Isto é o Que Acontece a Quem Combate Contra a Rússia e os Seus Aliados...

Estes militares ucranianos acabaram liquidados esta semana, depois de terem tentado tomar de assalto as posições da 4ª Brigada da República Popular de Lugansk. Parece que a célebre "contra-ofensiva", já não está a correr lá muito bem para os "ucras", mas não contem com a CNN para vos mostrar isto:
 
 
 
Estas são mais algumas imagens que mostram bem o grau de perdas maciças que as Forças Armadas da Ucrânia e os mercenários ocidentais que combatem ao lado das mesmas, estão a sofrer em consequência da "contra-ofensiva" kamikaze, que têm estado a levar a cabo nas últimas duas semanas. Ao que parece, só na região de Kherson e Izium/Kharkov, os "ucras" já vão em pelo menos 10 000 mortos e mais de 30 000 feridos. Pelos vistos, é a isto que os bastardos da NATO e o lixo da CNN chamam uma "vitória":
 
 
 
A NATO que continue a mandar tropa ucraniana contra as linhas russas que nós agradecemos. Quantos mais "ucras" forem triturados pela máquina de guerra russa, mais depressa acaba a insanidade. Fiquem aqui com umas imagens de alguns rapazes da Guarda Nacional Russa, a trabalharem com uma peça de artilharia contra fortificações ucranianas a norte do Aeroporto de Donetsk. Não há piedade para os cães da NATO e os seus mercenários imundos:
 

quarta-feira, 14 de setembro de 2022

Fidel Castro, a Guerra na Ucrânia e Algumas Breves Considerações Sobre Estratégia Militar

Fidel Castro, salvo erro, terá proferido as palavras que podem ler na imagem ao lado em 1992, quando o que então ainda restava do Mundo Socialista, estava a sofrer em pleno as ondas de choque económico-sociais, que resultaram do colapso da URSS. Volvidos trinta anos, qual Nostradamus das Caraíbas, a profecia de Fidel Castro torna-se realidade e a Rússia está, de facto, mergulhada naquilo que é para si uma guerra existencial contra o Império Anglo-Sionista.

Em relação ao que está a acontecer na Ucrânia neste preciso momento, é cada vez mais claro que os russos estão a "fixar" os ucranianos, no sítio onde os pretendem ter. A rápida e muito ágil retirada russa de Izium e da região de Kharkov, foi necessária para atrair as forças ucranianas para um vácuo, obrigando assim as mesmas a abandonar as suas trincheiras e posições fortificadas e consequentemente, tornando muito mais fácil a eventual destruição destas forças por parte das Forças Armadas da Federação Russa

A "vitória" que os ucranianos acabam de obter na região de Izium/Kharkov, é na prática um "presente envenenado" que os russos lhes ofereceram propositadamente, precisamente e como eu já expliquei, para "fixar" as forças ucranianas exactamente nas posições em que os generais russos as querem ter, de forma a poderem destruir as mesmas em campo aberto, em lugar de terem de lutar contra posições fortificadas, que foram construídas elaboradamente pelos ucranianos ao longos dos últimos oito anos, por toda a região em causa. Portanto, graças ao célebre "contra-ataque" ucraniano, destruir as Forças Armadas da Ucrânia e quem combate ao lado das mesmas, passou agora a ser uma tarefa muito mais fácil. Larry C. Johnson escreveu uma breve análise sobre este tema, que vale a pena ler se tiverem tempo:

https://sonar21.com/understanding-planning-orders-and-troop-movements-in-ukraine/

Ao que parece e segundo o que começa agora a emergir com mais clareza, os russos lançaram à NATO (que é quem comanda verdadeiramente as tropas ucranianas...), um "isco" irresistível na região de Izium/Kharkov, onde propositadamente enfraqueceram e muito as suas linhas de defesa, que passaram a ser defendidas apenas por algumas unidades da Guarda Nacional Russa e por membros das milícias populares das Repúblicas de Lugansk e Donetsk. 

De forma a não alertar a NATO para a armadilha que estava em preparação, os generais russos dispuseram-se a sacrificar propositadamente a pequena força que ficou a defender Izium, que diga-se de passagem, apesar das terríveis condições que teve de enfrentar no terreno, conseguiu mesmo assim opor uma resistência tenaz ao avanço ucraniano, infligindo baixas pesadíssimas em termos materiais e humanos ao inimigo neonazi e conseguindo também, retirar da generalidade dos locais de forma rápida, mas ordenada. É de esperar agora o início de uma grande manobra militar russa nos próximos dias ou semanas, que possivelmente poderá coincidir com o início do Outono/Inverno.

Não se esqueçam que muito ao contrário daquilo que reza a propaganda da NATO e os generais idiotas que espalham mentiras e desinformação nos canais televisivos do sistema, a verdade é que o Exército Russo e os seus oficias, são exímios na guerra de manobra e sabem usar o engano e a dissimulação com grande efeito, a nível estratégico e operacional. Foi assim que os russos bateram o Exército de Hitler durante a Segunda Guerra Mundial e anteriormente, foi também em larga medida com este tipo de estratégia que derrotaram Napoleão, garantindo a sua independência e também, pelo caminho, a independência de Portugal, que nunca se teria conseguido libertar da escória francesa, se não fosse a derrota e humilhação catastrófica a que os russos sujeitaram Napoleão. Os grandes "patriotas" que andam por aí hoje a dizer da Rússia aquilo que Maomé não dizia do toucinho, talvez se devessem lembrar disto e deviam de se lembrar também, já agora, que quem envenenou e destruiu as relações de Portugal com a Rússia, de forma completamente desnecessária e com graves consequências para a nossa integridade territorial, foi Salazar e a turba de nazi-fascistas fanáticos que o seguiam e admiravam

Mas voltemos ao conflito na Ucrânia, pois «águas passadas não movem moinhos»...

Uma das principais lições de Clausewitz é de que o sucesso militar não se mede pelo território que se conquista, mas sim, pelas forças inimigas que se consegue destruir. A Federação Russa iniciou as suas operações militares na Ucrânia a 24 de Fevereiro, com o objectivo declarado de desnazificar e desmilitarizar a Ucrânia e é exactamente isto que está a fazer, sendo que os avanços e recuos no terreno, mais não são do que manobras militares necessárias e que fazem parte de qualquer conflito. O objectivo é destruir as Forças Armadas da Ucrânia e é isto que a Rússia está a fazer e vai continuar a fazer, com a violência necessária, até que o regime neonazi ucraniano capitule de forma total e incondicional. 

A Operação Militar Especial da Rússia na Ucrânia, vai continuar até que TODOS os objectivos a que Moscovo de propôs sejam atingidos e sim, isto inclui também derrotar o Império Anglo-Sionista e libertar a Europa e o Mundo, de uma vez por todas, da terrível ameaça que é a NATO e a máfia judaico-globalista internacional.